Chicago pode tornar-se o próximo destino da free agency

Com os Nets e Clippers a assinarem com grandes agentes livres nesta offseason, talvez os Chicago Bulls possam ser um dos destinos preferenciais nos próximos anos.

Os Bulls, na sua história recente, não conseguiram contratar jogadores de alto perfil. Então, vamos analisar as razões pelas quais os Bulls até agora não conseguiram assinar com agentes livres e talvez dar soluções de como poderiam dar a volta por cima.

Vamos falar sobre o elefante na sala. A dupla John Paxson e Gar Forman tem sido uma grande razão para os erros dos Bulls na história recente. Não foram capazes de rodear Derrick Rose com o talento que ele precisava. Embora tivessem Joakim Noah e um jovem Jimmy Butler, os Bulls escolheram contratar veteranos mais velhos como Ronnie Brewer e Richard Hamilton, em vez de fazer com que o jogo mudasse para frente e completasse a equipa.

Dito isto, não significa que eles não tenham feito tudo de maneira terrível. De facto, nos últimos 3 ou 4 anos, até se mexeram extremamente bem, adquirindo jovens como Lauri Markkanen, Wendell Carter, Denzel Valentine, Chandler Hutchison e, mais recentemente, Coby White e Daniel Gafford.

Então, a dupla Gar-Pax pode atrair jogadores livres?

Não vejo porque não. Olhemos os Clippers, por exemplo. Actualmente têm Lawrence France como presidente das operações de basquetebol e Jerry West como consultor especial. Antes de adquirirem Kawhi Leonard e Paul George, foram vistos como bandidos pelo que fizeram com Blake Griffin.

Prometeram que ele seria o rosto da equipa para o resto de carreira e a quatro meses de assinar uma extensão do contrato, trocaram-no para os Pistons. Fazer isso com um jogador querido pelos fãs não é a melhor acção de marketing para uma Direcção, mas como recuperaram?

Primeiro, arriscaram bem, conseguindo Shai Gilgeous-Alexander e, com a ajuda de Doc Rivers, desenvolveram uma cultura que consistia em jogadores duros que jogam duro pelo treinador e abriram caminho para os playoffs. Com jovens talentos e trabalhadores esforçados, Los Angeles tornou-se um destino mais atraente para agentes livres.

Agora de volta para os Bulls, já estão no meio do caminho. Arriscaram muito bem, agora só precisam de trabalhar juntos por trás de Boylen e dar um empurrão no playoff, o que já começaram a fazer.

Contrataram jogadores como Thaddeus Young e Tomas Satoransky, que são trabalhadores que podem levar a jovem equipa a uma sétima ou oitava posição no leste. Thaddeus Young pode ser um jogador que ajuda a trazer consistência e presença veterana a uma equipa que precisa desesperadamente de ambos.

Se os Bulls mostrarem melhorias e talvez chegarem aos playoffs este ano, Chicago parece ser um destino mais razoável para os agentes livres.

Mercado
Em relação ao mercado, os Bulls já estão em vantagem sobre os Clippers e os Nets. Acima de tudo, os Bulls não têm os Knicks ou Lakers para competir com eles por agentes livres. Chicago tem apenas uma equipa e é uma das maiores cidades dos Estados Unidos com fãs leais e loucos.

Se mostrar avanços este ano e no próximo, Chicago pode ser capaz de pescar um peixe grande.

Flexibilidade do tecto salarial
Ter espaço no tecto salarial, contratos móveis e capital de recrutamento é extremamente atraente aos olhos dos agentes livres.

Tanto os Clippers quanto os Nets não tinham apenas espaço para assinar os agentes máximos livres, mas todos os seus núcleos sólidos estavam com contratos de rookie(ex. Caris LeVert, Jarrett Allen e Shai Gilgeous-Alexander) ou assinavam contratos razoáveis ​​(ex. Lou Williams, Montrezl Harrell e Spencer Dinwiddie). Dessa forma, quando uma super-estrela assina, eles não precisam sacrificar com quem têm de jogar.

No caso dos Bulls, eles têm muitos jogadores jovens sólidos com contratos de rookie, o que é óptimo. No entanto, a janela de assinatura de uma super-estrela está a fechar-se, já que Lauri vai comer muito desse espaço quando a sua extensão entrar em acção.

É por isso que este e os próximos anos são fundamentais para criar esse espaço máximo, o que me opõe ao acordo com Thaddeus Young. Embora possam não ter valor igual em jogadores para um atleta como Porter ou LaVine, eles obtêm a próxima melhor coisa: capital no draft. Esse capital inicial pode ser usado para cercar uma super-estrela com um parceiro em execução ou uma peça complementar.

Embora seja difícil de se despedir de um Porter ou LaVine, é como o que os Clippers fizeram com Blake. Era um risco necessário mostrar aos agentes livres que eles têm os activos para assiná-los e cercá-los com o que precisam.

Assim, para toda a negatividade que a dupla Gar-Pax recebeu, eles têm as peças para atrair um agente livre super-estrela, mas vão ter de tomar algumas decisões difíceis para o fazer.

Faça um comentário...

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.