Bulls – Trail Blazers, 130-116; Ataque leva à vitória

130-116

Jogo no United Center, em Chicago (IL)
1 2 3 4 T
Chicago Bulls 29 44 31 26 130
Portland Trail Blazers 35 30 27 24 116

Os Bulls finalmente descobriram na vitória de 130-116 de domingo sobre os Portland Trail Blazers.

Chega de defesa.

É hora de fazer o que fazem melhor enquanto os seus quatro melhores jogadores defensivos permanecem de fora com lesões. Que é marcar pontos. Esta é a equipe dos Bulls que pensávamos ver quando os Bulls foram buscar Nikola Vucevic e, no Verão, adquiriram DeMar DeRozan. Até que vimos Lonzo Ball e Alex Caruso, como o técnico dos Bulls, Billy Donovan, gosta de dizer, no ponto de ataque.

Então, até que eles voltem, por mais que não se deva admitir isso no desporto, os Bulls vão ter que superar os adversários na pontuação.

Que os Bulls fizeram o suficiente contra Portland com Nikola Vucevic a fazer 24 pontos e 14 ressaltos, DeMar DeRozan 23 pontos e 10 assistências, Zach LaVine 20 pontos e Coby White a vir do banco com 18 pontos e três triplos consecutivos no segundo período que levou os Bulls a uma vantagem, que transformaram numa margem de dois dígitos na maior parte do segundo tempo.

“O que quer que a equipe precise que eu faça”, disse White, de volta ao banco depois de duas passagens como titular desde que voltou da sua cirurgia no ombro. “O meu papel está sempre a mudar. Eu só tenho que me adaptar e continuar-me a ajustar. Não é nada novo para mim. Faço isso há algum tempo. Tudo o que a equipa precisa, estou disposto a fazer.”

Tem sido um mini-renascimento para White, que passou por um recente desânimo de quatro jogos a falhar 24 de 27 triplos. Nos últimos dois jogos desde então, ele tem uma média de 18 pontos e acertou 7 de 13 triplos.

“Sinto que as equipas se acumulam contra o Zach e o DeMar, então, se eu puder ajudar fazendo alguns lançamentos, talvez as equipas não carreguem tanto”, teorizou White. “Tento ajudar a acertar o espaçamento. É confiar no meu lançamento, e se estou solto, lançar.”

Pode ser o encantamento dos Bulls para o próximo mês ou assim, mesmo se não for forçosamente dito.

Ninguém pode admitir que a defesa não é a prioridade número um.

Está associado à tenacidade, ao compromisso e ao sucesso. Mas, ao mesmo tempo, todo o bom treinador fala sobre jogar com o ponto forte da sua equipa e colocar os jogadores na melhor posição para ter sucesso.

Os Bulls, como atualmente são, parecem mais um rolo compressor ofensivo.

Então, é deixá-los correr?

Como Martin Luther King famosamente disse: “Se não podes voar, então corre, se não podes correr, então anda, se não podes andar, então rasteja, mas faças o que fizeres, tens que seguir em frente.”

Mas o que há de errado em superá-los nos pontos? Afinal, ainda determinam o vencedor pelo maior número de pontos, não importa quantos.

E foram muitos novamente, pois os Trail Blazers, sem Damian Lillard, marcaram 116 pontos, incluindo 65 na primeira parte, 52% no geral e 46% em triplos. Mas com Javonte Green a lutar pelos seus 16 pontos, Ayo Dosunmu com 11 assistências entre as 36 dos Bulls, e Tony Bradley a aparecer com 10 pontos em 16 minutos, os Bulls finalmente esgotaram os Trail Blazers com um início de 10-3 na segunda metade que Portland nunca conseguiu recuperar.

Embora Donovan tenha dito que a equipa se saiu um pouco melhor no segundo tempo, acertando no lançamento três pontos, o treinador também ajustou o ataque para ter DeRozan e LaVine a conduzir a bola após o intervalo.

O rookie Dosunmu começou como base com Ball e Caruso lesionados. Mas ele tende a jogar de forma hesitante a iniciar o ataque. Ele parece melhor a passar nas jogadas pela lateral, onde jogou até às lesões. DeRozan começou o terceiro período com a bola e depois passou para LaVine quando os Bulls chegaram a uma vantagem de 94-75 e subjugaram os Blazers durante o resto do caminho.

Bradley foi eficaz dentro da sua aparição surpresa e Vucevic manteve o seu jogo impressionante com seu oitavo duplo-duplo nos últimos nove jogos. Ele é o sexto na liga em duplos-duplos.

“Eu não sigo isso a menos que alguém me diga, mas é bom saber”, disse o despreocupado poste dos Bulls.

“Alguns dos jogos que perdemos, entendemos que a nossa defesa não era boa o suficiente e, mesmo esta noite, no começo do jogo, eles começaram bem e não estávamos a conseguir pará-los”, observou Vucevic sobre a vantagem de 35-29 dos Blazers no primeiro período com 7 de 11 em triplos. “Uma vez que acertámos o passo, fomos capazes de construir um pouco de vantagem. Acho que agora temos uma melhor compreensão se queremos ser uma equipa realmente boa e conseguir ir longe no final do ano, a nossa defesa tem que estar lá.”

“Quando estás a ganhar e tudo está a resultar, ofensivamente ficas meio que perdido”, disse Vucevic. “Mas acho que entendemos a mensagem e agora espero que possamos continuar a trabalhar nisso e nos tornarmos melhores e mais consistentes porque mostramos que podemos fazer isso; é uma questão de fazer isso todas as noites”.

É o que os jogadores têm a dizer.

Jornalistas perguntam sobre a defesa. Jogadores após as derrotas dizem que tem que ser melhor. Quando os adversários falham, dizem que foi melhor. Mas eles estão a falhar por causa da defesa? Ou às vezes apenas se cansam.

“Acho que no primeiro período tivemos as intenções certas”, disse Donovan. “Mas a coisa com a qual fizemos um trabalho muito mau foram as finalizações. Achei que melhoramos com o decorrer do jogo.”

Não está claro, entretanto, o que os Blazers estavam a fazer com Lillard de fora. Eles têm um poste talentoso em Jusuf Nurkic, que marcou quase todas as vezes que chegou ao cesto. Felizmente para os Bulls, os Blazers deram-lhe apenas cinco bolas. Só mais três do que Tony Snell, que não gosta de lançar.

O que foi bem recebido pelos Bulls, que permanecem em segundo lugar na Conferência Este com 31-18. Os Blazers caíram para 21-29, 10º no Oeste. Eles teriam que ir aos playoffs para os Bulls conseguirem a sua escolha de draft nesta temporada. Lillard indicou que pode não voltar de lesão, mesmo que possa, o que é incerto, se a equipe não estiver pelo menos numa disputa séria nos playoffs.

Os Bulls estão em séria disputa nos playoffs, que eles imaginam ser o resto da temporada regular. Foram enfraquecidos pelas perdas dos seus melhores defensores, Ball e Caruso. Mas também precisam ter cuidado para não cometer o erro que muitas equipas cometem, que é pressionar os jogadores a serem o que a equipe precisa em vez de quem eles são. Claro, se podem fazer isso, tudo bem. Mas também não quer esquecer o que os levou até lá.

Com Ball e Caruso, e em menor grau com Patrick Williams e Derrick Jones Jr., os Bulls poderiam aplicar mais pressão, conseguir roubos de bola e desvios em pontos na transição. Não fazem muito disso agora, quatro pontos de contra-ataque no domingo, embora tenham tido dez roubos de bola. Mas também ter que jogar tanto quanto os regulares fazem agora com as ausências, pressão, armadilhas e correria não está prestes a acontecer.

Mas em LaVine, DeRozan e Vucevic, com White a entrar no clássico papel de sexto homem, os Bulls têm o que poucas equipes têm na NBA. Ataque.


Estatísticas dos Chicago Bulls (31-18)
Titulares MP PTS REB AST STL BLK TOV FG 3P FT
DeMar DeRozan 34 23 4 10 2 0 1 9-13 1-1 4-4
Ayo Dosunmu 34 7 6 11 2 0 3 2-3 1-1 2-2
Zach LaVine 33 20 2 4 1 1 0 7-18 3-9 3-4
Nikola Vucevic 32 24 14 3 1 1 1 11-15 1-2 1-1
Javonte Green 24 16 3 1 1 1 0 6-9 2-5 2-2
Suplentes MP PTS REB AST STL BLK TOV FG 3P FT
Coby White 31 18 3 6 0 0 1 5-12 3-7 5-5
Troy Brown Jr. 18 3 3 1 1 0 1 1-3 1-2 0-0
Matt Thomas 17 9 2 0 0 0 0 4-8 1-4 0-0
Tony Bradley 16 10 6 0 2 0 0 5-7 0-0 0-0
Malcolm Hill 1 0 0 0 0 0 0 0-1 0-1 0-0
Alfonzo McKinnie 1 0 1 0 0 0 0 0-1 0-0 0-0
Tyler Cook
Totais da Equipa 240 130 44 36 10 3 7 50-90 13-32 17-18
Estatísticas de NBA.com
Legenda: MP – Minutos Jogados; PTS – Pontos; REB – Ressaltos; AST – Assistências; STL – Roubos de Bola; BLK – Desarmes de Lançamento; TOV – Perdas de Bola; FG – Lançamentos de Campo; 3P – Triplos; FT – Lances Livres.
Estatísticas dos Portland Trail Blazers (21-29)
Titulares MP PTS REB AST STL BLK TOV FG 3P FT
CJ McCollum 36 29 5 4 0 0 1 13-23 2-7 1-1
Norman Pwell 34 22 4 1 0 0 3 7-10 5-6 3-4
Anfernee Simons 33 21 3 6 1 0 2 7-18 5-10 2-3
Robert covington 32 11 7 2 2 0 0 3-4 3-4 2-2
Jusuf Nurkic 26 11 4 1 0 0 4 3-5 1-1 4-6
Suplentes MP PTS REB AST STL BLK TOV FG 3P FT
Trendon Watford 22 10 2 2 0 3 0 5-6 0-1 0-0
Ben McLemore 19 8 3 1 1 0 0 3-11 2-9 0-0
Dennis Smith Jr. 15 0 5 5 0 0 0 0-2 0-0 0-0
Tony Snell 15 0 3 0 0 0 0 0-2 0-1 0-0
Greg Bwoen 4 4 0 0 0 0 0 2-2 0-0 0-0
Keljin Blevins 4 0 0 1 0 0 2 0-0 0-0 0-0
Totais da Equipa 240 116 36 23 4 3 12 43-83 18-39 12-16
Estatísticas de NBA.com
Legenda: MP – Minutos Jogados; PTS – Pontos; REB – Ressaltos; AST – Assistências; STL – Roubos de Bola; BLK – Desarmes de Lançamento; TOV – Perdas de Bola; FG – Lançamentos de Campo; 3P – Triplos; FT – Lances Livres.

Faça um comentário...

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.