Bulls – Thunder, 106-101; E vão três seguidas

106-101

Jogo no United Center, em Chicago (IL)
1 2 3 4 T
Chicago Bulls 22 28 31 25 106
Oklahoma City Thunder 29 25 26 21 101

Pode-se dizer que DeRozan tem incarnado Jordan de forma positiva, desta vez com 38 pontos na vitória dos Bulls sobre os Oklahoma City Thunder?

Sim, podemos.

Com o seu sexto jogo consecutivo a marcar pelo menos 30 pontos, um máximo de carreira, e o quinto consecutivo a marcar mais de 35 pontos, DeRozan é o primeiro a conseguir isso – sim, ele mesmo – desde Michael Jordan.

Todos sabemos que não se deve comparar o maior de todos os tempos a jogadores de basquetebol normais.

Mas DeMar DeRozan tem mostrado que não é um jogador normal.

“É realmente fantástico vê-lo jogar noite após noite e em jornadas seguidas,” disse o normalmente retraído treinador dos Bulls Billy Donovan. “O que foi impressionante hoje é que são sete jogos em dez dias. E não é que pedíssemos para fazer muito hoje, ele tem feito durante todo o ano.”

“Ele tem um grande foco e concentração,” explicou Donovan. “Ele prepara-se incrivelmente bem. Quando ele chega ao seu lugar ele é incrível. É um incrível e único jogador. Dou-lhe muito mérito. Ele trabalha duro, toma conta de si, chega preparado. É um profissional incrível. É o melhor pontuador com quem trabalhei.”

O que significa qualquer coisa vindo de alguém que treinou Kevin Durant, Russell Westbrook, Paul George, Carmelo Anthony e Chris Paul.

Sim, Lu Dort marcou 31 pontos para os Thunder. A equipa de Oklahoma City liderou por 14 pontos no final da primeira parte mas sentia-se que não tinha hipótese de vencer o jogo. Mesmo contra uma equipa dos Bulls dizimada por lesões e com LaVine de fora e Green com problemas num pé. Os Bulls apenas tiveram dificuldades para arrancar no segundo jogo em dois dias, o sétimo em dez dias, contra uma jovem equipa.

E mesmo quando Dosunmu falhou o que seria o cesto da vitória com 12 segundos no relógio e os Bulls a liderar por três pontos. Troy Brown agarrou o ressalto e os Thunder tiveram que fazer falta sobre DeRozan que acabou com tudo com um par de lances livres.

“Eu apenas vou lá para dentro e tento vencer custe o que custar,” disse DeRozan. “Se são recordes, o meu único propósito em jogar da maneira que jogo é vencer e qualquer recorde que venha com isso, apenas veio.”

DeRozan teve outra vez o suporte de Nikola Vucevic com 31 pontos e 15 ressaltos, incluindo 15 pontos no terceiro período que permitiram aos Bulls chegarem.se à frente e liderar o resto do jogo. Dosunmu teve quase um triplo-duplo com 12 pontos, nove assistências e oito ressaltos e Coby White voltou à titularidade e teve outra exibição sólida na segunda parte e acabou com 16 pontos e um máximo de temporada de nove ressaltos. Converteu quatro de seis triplos e lançou acima de 60% do perímetro nos últimos dois jogos.

Os Bulls, na noite em que celebraram a carreira do analista Neil Funk, passaram para 36-21 com dois jogos restantes antes da pausa para o All-Star. Os Bulls também tiveram um incaracterístico 57-43 nos ressaltos contra os mais pequenos, embora atléticos, Thunder, que jogam mais para escolhas no draft que outra coisa.

Uma palavra acerca de Donovan.

Faz a diferença ter um treinador a sério.

Tem sido mais evidente ultimamente com os Bulls a jogarem contra equipas jovens com treinadores inexperientes. Eles conhecem o basquetebol, mas tens de treinar para ser treinador. Quando os Bulls estavam à procura de um treinador, havia muita especulação acerca de jovens treinadores adjuntos. Alguns deram-se muito bem, mas ma maioria tem dificuldades, e não apenas com planteis jovens como os Thunder.

Esta foi mais uma vez em que os Bulls tiveram dificuldades acrescidas, com mais dois habituais de fora – apesar de Derrick Jones Jr. ter regressado surpreendentemente da sua lesão – e os Bulls começaram como se estivessem de luto.

Os miúdos dos Thunder conseguiram liderar por 21-8, oito pontos na transição e cinco perdas de bola dos Bulls. Depois de liderar por 29-22 no primeiro período, os Thunder conseguiram liderar por 48-36. Mas continuaram a fazer o que as equipas jovens com treinadores jovens fazem: lançam do perímetro. E lançam uma e outra vez. É como uma droga, procurando o êxtase do sucesso e indo abaixo com os falhanços. Mas também forma hábitos. Por isso uma e outra vez, queiram ou não, vão tentar. Apesar da aparente vantagem que os rápidos e longos Thunder tinham, continuaram a ir abaixo e a lançar do perímetro. Continuaram a falhar. E a tentar novamente.

É por isso que é bom ter um treinador experiente, e um jogador veterano a liderar as tropas.

DeRozan começou com as simulações que são habituais, e os miúdos caíram sempre. Vucevic, apercebendo-se que nenhum dos adversários tinha a sua altura, viu que tinha oportunidade de pontuar no garrafão. E assim fez, e DeMar fez, e os Bulls estavam com 54-50 ao intervalo, e passaram para a frente com 81-80 depois do terceiro período e então viram os Thunder a morder os calcanhares. Tentas afastar e eles voltam de forma irritante. Os Bulls pareciam ter acabado com o jogo depois do triplo de White que deu a liderança por 104-97 com 1:10 por jogar. Mas os miúdos de Oklahoma foram ao cesto e conseguiram uma bandeja e lances livres, até que o ressalto de Brown acabou com qualquer hipótese de drama.

Voltando a Donovan, cujos principais jogadores combinaram para 69 pontos sem um único triplo.

Porque também é isso que treinar significa. É tirar vantagem das situações, como Vucevic fez.

“O Vooch foi realmente bom,” elogiou Donovan. “Foi um monstro lá dentro. Finalizou à volta do cesto, um par de grandes afundanços, grandes jogadas. Fez sentir a sua presença.”

E dar realmente uma hipótese dos jugadores terem sucesso, e não apenas falar disso.

“Ele (DeRozan) é um tipo diferente de jogador,” notou Donovan. “Durant, obviamente, não tem limites enquanto pontuador e ter Russell Westbrook como pontuador… Carmelo e Paul George. Em termos da maneira como joga e o que faz e onde consegue marcar nos dias de hoje… quando treinei o Chris Paul há dois anos atrás, ele era um inacreditável jogador de meia-distância. No ‘pick and roll’ ele conseguia aqueles lançamentos da linha de lance livre que pareciam bandejas. A parte infeliz da NBA hoje em dia é que desvalorizaram esses lançamentos. E eu penso que nem todos os lançamentos de triplos são criados de forma igual. Acho que as pessoas vêm como ele é dinâmico, prefere dois pontos do que não ter pontos, percebes?”

Finalmente, alguém que não tem medo dos analistas estatísticos da internet. Basquetebol vencedor pode ser jogado de várias maneiras. Precisas de talento, mas também ajuda muito teres um treinador que sabe como ajudar a colocar na melhor posição para vencer.

“Há esta coisa de lançar triplos atrás de triplos,” concordou Donovan. “Eu acredito realmente que a análise estatística é uma parte importante do jogo. Mas não é o fim de tudo e não é tudo acerca de números. Penso que tudo é acerca de como tu usas os pontos fortes de um jogador. Quando olhas para jogadores de forma individual que conseguem os lançamentos como o DeMar, ele é de elite nisso. Ele é tão bom quanto o melhor. Falámos disso (quando ele assinou). Eu só o queria aqui e que fosse ele próprio.”

Não deixem este homem ir embora. Já assinou a extensão do contrato?

Talvez o mais intrigante acerca de DeRozan ser ele próprio é que não tem sido ele mesmo durante vários anos. Sempre foi um pontuador de elite, com média de mais de 20 pontos na carreira e 27 há cinco anos atrás em Toronto. Mas então foi trocado por Kawhi Leonard, os Raptors venceram a NBA, e DeRozan aterrou nuns Spurs em reconstrução. E o que aconteceu? Bem, apesar de marcar 21-22 pontos, foi, bem, apenas outro jogador com 20 pontos.

Não admira que o mundo do basquetebol não celebrasse a sorte dos Bulls no último Verão. Mesmo DeRozan percebeu isso.

“Quem disse que não podes melhorar com o tempo, durante a temporada?” perguntou DeRozan. “Nunca coloquei limites no meu processo, nas minhas opções, na minha imaginação, nas minhas oportunidades. Vejo, estudo. SE tive um bom jogo, tento ver todas as coisas negativas que aconteceram, coisas que podia ter feito melhor. Não houve um jogo onde saísse a dizer que tinha sido tudo perfeito. Por isso há sempre espaço para melhorar.”

“Nos meus três anos em San Antonio, eu como que me acomodei por marcar tanto,” admitiu DeRozan. “Abri outras partes do meu jogo e perceber, mas na minha cabeça eu sempre soube que era um pontuador. Essa era a minha mentalidade antes de tudo. Eu sabia que essa parte de mim ainda estava comigo. Eu não dei oportunidade de deixar sair como queria em San Antonio porque haviam outras partes do meu jogo que comecei a desenvolver. Sempre soube que tinha isto em mim. A minha confiança esteve sempre lá.”

Em parte graças a Donovan, que trouxe DeRozan à sua melhor versão.

O que provavelmente até faz os adversários dos Bulls sorrirem.

Derrick Jones Jr. sabe que faz.

O extremo que voltou de lesão diz que desfruta de DeRozan como companheiro de equipa não apenas porque já não tem de o defender, mas porque agora pode soltar provocações. Acerca de DeRozan.

“Eu digo a todos os que conheço na equipa adversária que estou na boa, ‘vais passar tão mal por ter de o defender'”, diz Jones com um sorriso. “Ele não vai dizer nada. Eu falo por ele. ‘Ele vai fazer-te de tolo.’ É incrível poder testemunhar isso.”

O que é mais uma coisa acerca de DeRozan.

Toda a gente na liga parece gostar dele. É comum mesmo durante os jogos ver os adversários a sorrir mesmo depois de DeRozan os castigar com mais uma simulação. LeBron James, quando estava a selecionar jogadores para a sua equipa do All-Star escolheu DeRozan e disse que “é um dos meus jogadores favoritos da NBA…”

Mesmo o provocador Patrick Beverley que passou a noite toda a pressionar Derozan passou metade do tempo a sorrir e a parabenizar DeRozan depois de ter sido ludibriado a cometer faltas.

Isto é material Hall of Fame, DeRozan é o terceiro na liga com média de 27.7 pontos por jogo, um máximo de carreira, o melhor marcador da liga este mês e tem carregado uns Bulls fustigados por ausências até perto do topo da conferência com quase 40 minutos por jogo no último mês. E continua a parecer nem suar.

“Superar o Mike?” perguntou DeRozan quando a marca de Jordan foi mencionada.

“É uma honra estar em qualquer livro de recordes com um dos melhores de todos os tempos, especialmente a jogar por esta equipa,” disse DeRozan. “Sorrir, brincar contigo, provavelmente não me estou a aperceber de tudo agora. Não sei em que papel estou. Sou apenas eu mesmo. Não é nenhum acidente ser capaz disto. Definitivamente dedico tempo, trabalho. Desde que estou nesta liga, sempre tentei melhorar e sempre quis ser um dos melhores jogadores da liga. Ser sempre reconhecido como um vencedor pelas coisas que fiz. É aí que estou neste momento.”

Tem sido um bom espetáculo. E ainda não acabou.


Estatísticas dos Chicago Bulls (36-21)
Titulares MP PTS REB AST STL BLK TOV FG 3P FT
Ayo Dosunmu 41 12 8 9 1 0 3 5-8 2-4 0-0
DeMar DeRozan 40 38 6 5 1 0 2 12-24 0-1 14-16
Coby White 37 16 9 5 1 0 1 6-13 4-6 0-0
Nikola Vucevic 36 31 15 0 2 2 6 14-25 0-4 3-3
Troy Brown Jr. 28 0 11 0 0 0 0 0-9 0-5 0-0
Suplentes MP PTS REB AST STL BLK TOV FG 3P FT
Derrick Jones Jr. 23 3 2 1 1 0 0 1-5 0-1 1-2
Malcolm Hill 16 6 3 0 0 0 0 2-4 1-3 1-2
Matt Thomas 14 0 2 0 0 1 1 0-1 0-1 0-0
Tyler Cook 4 0 1 0 0 0 0 0-0 0-0 0-0
Tony Bradley 1 0 0 0 0 0 0 0-0 0-0 0-0
Alfonzo McKinnie
Totais da Equipa 240 106 57 20 6 3 13 40-89 7-25 19-23
Estatísticas de NBA.com
Legenda: MP – Minutos Jogados; PTS – Pontos; REB – Ressaltos; AST – Assistências; STL – Roubos de Bola; BLK – Desarmes de Lançamento; TOV – Perdas de Bola; FG – Lançamentos de Campo; 3P – Triplos; FT – Lances Livres.
Estatísticas dos Oklahoma City Thunder (17-39)
Titulares MP PTS REB AST STL BLK TOV FG 3P FT
Luguentz Dort 38 31 2 1 1 0 1 8-19 5-12 10-14
Darius Bazley 35 17 8 5 2 3 0 7-21 1-5 2-2
Josh Giddey 33 11 12 10 0 0 3 4-10 1-2 2-2
Tre Mann 25 8 1 1 0 1 0 3-11 2-6 0-0
Isaiah Roby 24 7 4 1 3 3 1 3-6 1-3 0-0
Suplentes MP PTS REB AST STL BLK TOV FG 3P FT
Kenrich Williams 27 12 4 1 2 0 0 4-5 0-1 4-7
Ty Jerome 21 3 5 2 0 0 1 1-6 0-3 1-1
Aaron Wiggins 19 5 2 1 0 0 0 2-5 0-2 1-2
Aleksej Pokusevski 15 7 4 0 0 3 2 2-5 1-2 2-2
Lindy Waters III 4 0 1 0 0 0 0 0-0 0-0 0-0
Derrick Favors
Théo Maledon
Vit Krejci
Totais da Equipa 240 101 43 22 8 10 8 34-88 11-36 22-30
Estatísticas de NBA.com
Legenda: MP – Minutos Jogados; PTS – Pontos; REB – Ressaltos; AST – Assistências; STL – Roubos de Bola; BLK – Desarmes de Lançamento; TOV – Perdas de Bola; FG – Lançamentos de Campo; 3P – Triplos; FT – Lances Livres.

Faça um comentário...

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.